O karma de Fernandão

Publicado  segunda-feira, 17 de setembro de 2012


Ainda com rendimento inferior ao de seu antecessor, Fernandão se cansou e deu o tom da revolta. Deixou claro que não vai mais permitir a zona de conforto do elenco colorado. É dever de todo técnico não ser amigo dos jogadores, mas chefe. Isso é mais difícil quando se lembra que o ex-atacante jogou com alguns de seus comandados anos atrás.

Não é distante o tempo da zona de conforto em que Fernandão estava lá quando demitiram Abel após o título Mundial, mandaram embora Alexandre Gallo e outros. Ele se foi e quando quis voltar, o Internacional refugou. A diretoria via o jogador como problema. Suas atuações rasas por Goiás e SPFC não foram um argumento a favor.

Fernandão voltou como diretor-executivo. Demitiu o técnico que substituiu, em uma situação pra lá de estranha (Leonardo paga até hoje por ter feito algo semelhante no Milan) e herdou esse grupo de jogadores. Agora, precisa resolver o que chegou a chamar de "falta de constância mental", mas também algo de que ajudou a criar, para o bem ou para o mal. É dever dele renovar um grupo vencedor, mas que já não pode mais render em alto nível.

0 comentários: