Porque o racismo deve expulsar atletas olímpicos

Publicado  terça-feira, 31 de julho de 2012

Michel Morganella chamou todos os sul-coreanos de "mentalmente retardados"e a triplista Paraskevi Papachristou disse que "com tantos africanos na Grécia... os mosquitos do Nilo Ocidental pelo menos vão comer comida caseira!" Os dois foram expulsos dos Jogos Olímpicos e, é claro, consideraram a decisão exagerada. Não é.

As Olimpíadas pressupõem a união dos povos. Pode ser piegas e até ilusório, mas durante 30 dias todas as nações se unem em torno de uma mesma festa, regras que todos concordam e disputas em que cada homem só depende de si (e da preparação que o levou até aquele ponto, obviamente). Não cabe nessa mensagem universal ver gente xenófoba em nenhum grau.

Se queremos fazer uma festa tão bonita quanto Londres (pra lá de prejudicada pelo exagero de Pequim e a crise econômica na Europa) precisamos ter isso em mente. Nenhuma rivalidade esportiva, pode virar desculpa para racismo ou xenofobia.

Paraskevi ainda não entendeu isso. "Depois de tantos anos de sofrimento e sacrifícios para tentar conseguir a minha primeira Olimpíada, estou muito amargurada e triste. Mas o que me chateia mais é a reação excessiva e a rapidez da decisão disciplinar". Sacrifícios podem fazer você saltar mais alto ou ser um atleta melhor, mas jamais vão fazer uma vida estar acima de outra.

O Comitê Olímpico Grego e o técnico da Suíça, Gian Gilli, agiram de forma firme para explicar isso não apenas aos atletas, mas para mostrar ao mundo que entendem o que são os jogos, além de qualquer medalha. Ainda bem.

0 comentários: