Por que amamos Balotelli?

Publicado  sábado, 30 de junho de 2012


As conquistas na carreira ainda são poucas, apesar da pouca idade e mesmo pela sua seleção ele ainda não justificou sua fama com gols. Mario Balotelli em termos técnicos é, incontestavelmente... Um bom jogador. Talvez ainda se torne um ótimo e, quem sabe, um craque. Mas está longe de chegar nesse patamar. Mesmo depois de Pirlo, o melhor jogador da Eurocopa, ainda pode ficar atrás de referências como Cassano e não supera a saudade de ídolos como Del Piero.

Com todas essas carências, Balotelli é autêntico. Diz que não comemora gols porque nenhum carteiro celebra a entrega da carta. Ele sorri mais com as brincadeiras de treino do que com uma jogada inacreditável. É um misto de marra e inocência muito diferente dos perfis insípidos de craques que querem sempre posar de robôs infalíveis. É pouco pra qualquer análise séria qualificá-lo como um grande jogador. Mas pra quem simplesmente gosta de futebol e não quer traçar uma tese a cada jogo (culpado!) é muito.

Ele é aquele personagem que sempre aparece em algum quadro de gols e reportagem de estilo. Qualquer criança que não tem paciência para ficar parado por 90 minutos em frente a uma TV vai sempre ver aquele moicano loiro como referência de craque. Isso inclui não só seus filhos, mas o menino(a) que você já foi. O atacante é daquela estirpe de Heleno, Paulo César Caju, Geraldo Assoviador e outros. Bola e polêmica que o tornam mais apaixonantes do que jogadores até melhores no campo, mas menos carismáticos fora dele.

Pessoalmente, não sei se gostaria de ter Balotelli como meu amigo, genro ou mesmo craque do meu time ou da minha seleção. Imagine se em qualquer cargo desses ele comete um de seus deslizes (de sair no tapa com seguranças de uma boate stripper a incendiar sua casa)? Mas eu quero muito ver o futebol sempre com alguém assim: espontâneo, irreverente e, acima de tudo, verdadeiro. Pensando bem, devo ter uma dúzia de amigos assim, mas nenhum deles joga pela Itália.

Dizem que não há forma melhor de conhecer alguém do que pela sua atuação em um esporte. Sem nunca  ter sido apresentado ao centroavante italiano sinto que o conheço. Mais do que isso, gosto dele. Quer saber? Balotelli, vou torcer por você nessa final da Eurocopa, meu camarada. De todos os meus amigos, ninguém merece mais. Você é o cara. Não me decepcione. 

0 comentários: