Post do Leitor: Ela vai estar em boas mãos!

Publicado  sexta-feira, 25 de maio de 2012

* Por Bruno Henrique de Melo Nogueira

A Copa Santander Libertadores chega a sua semifinal mostrando a grandeza do futebol. Qual o outro esporte que reúne numa semifinal de um torneio continental quatro equipes com realidades, proposta de jogo, filosofias tão diferentes? Nem  parece que praticam o mesmo esporte.

É muito mais fácil encontrar diferenças do que semelhanças entre os quatro postulantes ao título de Maior das Américas de 2012. Então vamos a elas:



 Apesar dos protestos exaltados do Grande técnico Tite, o Corinthians é o Chelsea das Américas, ou pelo menos é possível encontrar mais semelhanças neste dois modelos do que comparando  a equipe inglesa a qualquer outra do futebol do Novo Continente. O Corinthians é o novo rico, assim como o Chelsea, confia mais na defesa que no ataque, não tem tradição e nunca ganhou este título em sua história, tem um volante como arma principal e tem no contra-ataque sua principal arma, mas se precisar vai pro abafa e pode decidir numa bola parada. Como modelo de negócio, o Corinthians injeta dinheiro no elenco, tem um time envelhecido, mas de jogadores consagrados, mesclando a juventude de jogadores que podem fazer história tanto no clube, quanto na Seleção.


O Santos é o modelo mais arrojado de gestão dos quatro finalistas. Depois de dizer um grande NÃO aos mais ricos clubes do mundo, o Santos apostou que Neymar, Ganso e Cia poderiam render mais que milhares de euros, poderiam entrar para a história e trazer de volta o clube da Vila ao seu posto de eras passadas, quase que perdidas no tempo: O Santos quer ser o melhor do Mundo. Este título consagraria a trajetória promissora do inexplicável Neymar, inexplicável mesmo porque pode-se esperar tudo desse menino não tão franzino e com um gosto bem discutível sobre cortes de cabelo, ele pode acabar sozinho com uma final, mas pode sumir sem deixar pistas em campo, é gênio e como tal incompreendido.


Se o Santos impressiona no modelo de gestão, a equipe de Sampaolli não fica muito atrás, La U conseguiu o que muitos pensaram que era impossível. Como competir com equipes milionárias no Brasil e equipes tão tradicionais no resto da América Latina?! Os chilenos provaram que o modelo Catalão não só é de sucesso, como não precisa ser aplicado apenas em equipes multimilionárias. La U aumentou o investimento nas suas categorias de base em 33%, começou a pescar jogadores jovens de clubes pequenos e trouxe mais um discípulo do Loco Bielsa, (este talvez mais discípulo que o próprio Guardiola, pois até se comportar como Louco o Sampaolli faz). La U se vencer a Libertadores pode, depois de ganhar seu 1º título sul-americano ano passado, derrubar o maior paradigma do futebol  moderno que diz que  pra ser um grande campeão precisa ser rico.

O Boca é o paradoxo apaixonante do futebol! Modelo de gestão?! O Boca tem sérias dificuldades de manter um grupo envelhecido e poucos dos seus jovens estão tendo a oportunidade de brilhar, o clube quase foi rebaixado, seu grande rival caiu pra 2ª divisão argentina, o país está em crise, o futebol não consegue segurar suas revelações e seu grande camisa 10 balançou e quase saiu no fim da última temporada. O Boca é a camisa! É um clube copeiro, é o exemplo de que no futebol nem sempre o melhor, o mais rico, o time com os melhores jogadores vencem. O Boca provou isso contra o time do Poderoso Celso Barros, O Boca jogou como se tivesse a certeza que sairia classificado contra o Fluminense, só precisou de uma bola, mas parece que quando é para o Boca na Libertadores a bola insiste em entrar , mesmo sem explicação .

Então é isso, o futebol está muito bem servido de opções nestas semifinais. Agora se você não é torcedor de um dos quatro, mas curte futebol, é só escolher a opção que mais te agrada e a festa estará garantida.


1 comentários: