As entrelinhas da carta de Patrícia

Publicado  domingo, 15 de abril de 2012

Um texto diz muito a respeito de seu autor e suas intenções. Se alguém escreve uma carta de recomendação e passa mais tempo explicando defeitos de um candidato do que sua experiência, significa que você está diante de alguém com mais a aprender do que a ensinar para o cargo. É esse o tipo de coisa que me ocorre quando leio a carta que Patrícia Amorim enviou para o jornalista Renato Maurício Prado

Contei 110 linhas na formatação em que a carta foi publicada no blog do jornalista. Destas, contei exatas catorze linhas em que Patrícia fala do futebol, carro-chefe do clube. Pouco mais de 10%. Isso diz muito sobre a importância que a presidente dá. Não é à toa que André Rizek comentou a carta em um texto com o ótimo título de A Presidente do Parquinho. É isso que a dirigente deixa claro nas entrelinhas de sua carta: ela não se importa com o futebol do clube mais do que está preocupada com as instalações da Gávea.

Quando ela escreve: "Fui eleita com a responsabilidade de administrar um clube social e esportivo com  mais de 10 mil associados, centenas de meninos em escolinhas de vários esportes e não somente um  departamento de futebol. A rica história do Flamengo está escrita também em letras de ouro por grandes campeões nos esportes olímpicos, como basquete, remo, natação e ginástica." Nesse parágrafo Patrícia deixa claro: o que fez 35 milhões de pessoas se apaixonarem e tornarem o Flamengo o que ele é se trata apenas de "um departamento de futebol". Um estorvo necessário. E não uma paixão que movimenta uma torcida que se convencionou chamar de Nação.

Para Patrícia todos os outros esportes são tão importantes quanto o futebol. Um equívoco que acabará trazendo antipatia. 35 milhões de torcedores aprenderam a se apaixonar pelo Flamengo graças ao esporte bretão. Se a carreira política da dirigente  não nasceu daí, é injusto que a torcida pague por isso. Mas no fim, explica tudo. Aos olhos de Patrícia a medida do Flamengo é a da sua régua. As outras 35 milhões de medidas que mudem ou se conformem.

0 comentários: