Time mais fraco? Olimpia tem um técnico melhor

Publicado  quinta-feira, 29 de março de 2012


Já perdi a conta de quantas vezes Gerardo Pelusso foi uma pedra no sapato do Flamengo em competições internacionais. Se o retrospecto do rubro-negro em torneios sul-americanos é medíocre (a era Zico é exceção e não a regra), boa parte dessas derrotas se devem ao técnico do Olímpia. Em todas as suas vitórias sempre demonstrou saber exatamente qual era o Flamengo que estava enfrentando.

Pateticamente Joel emitiu o recibo ao pedir mais cultura ao profissional que teria dito que ele não existe. Vovô Joel, que já deveria ter se aposentado,  realmente não existe em termos de cultura tática e cenário nacional (seu único brasileiro foi pegando um time pronto com apenas quatro jogos restando para o título) e internacional. O Olimpia tem um time muito mais fraco onde Orteman, que mal conseguia chances no Internacional, como grande destaque. E daí? O time paraguaio tem um técnico muito melhor e no futebol moderno isso faz toda a diferença. Enquanto isso, em todas as suas passagens Joel sempre demonstrou desconhecimento de adversários fora do Brasil (ou do Rio de Janeiro) e recorre a critérios bizarros como escalar jogador porque fala espanhol e por aí vai.

Na semana passada, Joel culpou o azar e os jogadores em um jogo onde levou duas substituições para o bolso. Hoje, ele levou uma mexida para casa (talvez alguém tenha lhe dito que pode acumular para o carioca, sua competição favorita) demorou 25 minutos para mudar o time e tomou um gol logo depois que colocou Deivid. A partir daí, Bottinelli finalmente jogou bem porque ao invés de falso centroavante recuou e jogou de meia com dois atacantes a frente. Não é difícil entender que o argentino não é brilhante, mas pode ser útil desde que jogue onde rende melhor.

Parece ser fácil compreender também que Ronaldinho jamais pode jogar com três volantes atrás para resolver quase sozinho na frente. Mas com Joel o óbvio torna os obstáculos maiores e o técnico que pede para Love aumentar a média de gols insistiu quase 70 minutos com três volantes em um jogo que precisava vencer e esteve sempre atrás no placar.

Demitir Vanderlei Luxemburgo é uma ação pra lá de justificável, mas Patrícia Amorim conseguiu usar a única razão que não poderia: os jogadores não queriam. De lá pra cá, as ausências de Ronaldinho foram mais frequentes e o time só piorou taticamente. Há um ano o rubro-negro estava invicto, agora já coleciona derrotas. O que podia ser ruim caminha para o muito pior.

Contratar Joel foi um erro muito pior do que demitir o técnico-manager. Cabe ao Flamengo assumir o erro o quanto antes e trazer um técnico de verdade, que possa salvar o ano do clube. Ou apostar na exceção do prazo de validade do folclórico professor e esperar que em outubro ele já não esteja pronto pra ser demitido. Este comentarista acredita que a torcida merece mais do que torcer por lampejos. E você?

4 comentários: