Rivaldo não é humilde

Publicado  segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Um jogador de talento valiosíssimo, Rivaldo pode não ter convencido a todos em sua carreira, mas certamente escreveu seu nome na galeria de heróis do futebol. O brilho no Corinthians, a força de seu talento no Palmeiras e sua habilidade que iluminou o La Coruña e Barcelona o tornando um jogador imprescindível para a seleção. E em todas essas passagens, Rivaldo sempre foi descrito como um jogador de talento exponencial, mas modesto.

É provável que isso já tenha sido verdade, mas mesmo antes da passagem indigna pelo São Paulo essa humildade se perdeu. Desde sua época no Olimpiakos, quando acreditava que deveria ser convocado jogando no obscuro futebol grego. Hoje, Rivaldo é um jogador que clama a humildade e usa o que já fez como justificativa para ser escalado. O meia-atacante sabe que o talento que o tempo lhe deixou aos 38 anos pode trazer lampejos impressionantes, mas são insuficientes para a regularidade de 90 minutos que grandes times exigem.

Ainda assim, Rivaldo faz o papel ridículo de eterno injustiçado. Em entrevista ao Globoesporte, se diz magoado e vítima de dirigentes (os mesmos que acreditaram em sua contratação) quando seu papel decisivo ao ajudar a derrubar Carpegianni - o melhor técnico que o tricolor teve em 2011 - foi o grande resultado que seu talento trouxe. É bom lembrar como as declarações que confundem sentimentalismo barato com profissionalismo se repetiram quando ele lamentou o veto de Felipão ao seu retorno ao Palmeiras. Imaginem como seria Rivaldo em um grupo que já contava com os problemáticos Kléber e Valdívia?

Naquela época, o técnico chegou a dizer que "experiência não é tudo". Certamente o ex-camisa dez da seleção, recebeu o comentário como uma dúvida de seu talento e importância ao invés de um comentário honesto sobre o que ele ainda pode fazer. Não duvide até que Rivaldo diga que é discriminação porque ele é pernambucano, como já fez em outra ocasião. É triste que uma carreira tão bonita tenha resultado em um homem tão rancoroso e arrogante, disposto a usar o expediente baixo da falsa modéstia para apregoar mais méritos do que merece. Rivaldo foi brilhante e deveria ter se tornado um homem capaz de não manchar isso no seu final de carreira.


1 comentários: