Um ano sem Armando Nogueira!

Publicado  terça-feira, 29 de março de 2011


Mestre Armando Nogueira se foi há um ano. Ele que se não nascesse cronista, nasceria palavra. Não. Uma frase, talvez. Ainda é pouco. Quem sabe um verso? Não é isto, não é isto... Se não nascesse cronista, Nogueira talvez fosse crônica. Uma daquelas bonitas sobre futebol.

Porque se fosse crônica, ele ainda encantaria a todos mesmo que não fosse Nogueira. Mesmo que fosse só uma vez.

Mestre Armando Nogueira. Uma personificação tão forte do que é a beleza da crônica que seu primeiro nome era um verbo. Armando. Armou. Armará. Armamos todas as homenagens possíveis nessa data e ainda são rasas diante da falta do mestre. Que saudade.

Tudo começa com o verbo. E por Armando passa boa parte dos começos da nossa crônica esportiva, senão seus melhores momentos. Homenageie Nogueira lendo algumas de suas melhores citações. Porque a cada ano de sua partida, é mais um ano para revisitar sua alma.

A geração de egoístas

Publicado  domingo, 27 de março de 2011

Os salários de Ganso jamais atrasaram quando esteve contundido, o Santos o procurou para renovar com uma proposta próxima e a sua torcida o ama. Mas Paulo Henrique não está feliz. Ganso se lamenta, diz que não é valorizado e no fim das contas fala que quer mesmo é ir para a Europa. Pois que vá. Não é um roteiro inédito.

Me surpreende o mimo das novas gerações do futebol. Cada vez mais entendidas de marketing e de mercado, mas nem sempre produtivas em campo ou para o torcedor. No primeiro contrato já pedem metade de seus direitos, embora nunca tenham reclamado de quando os clubes lhes sustentaram e lhes formaram para o futebol. Oscar, Marlos, Bruno Paulo... Claro, alguns poucos como o próprio Ganso já dão retorno em campo, mas há casos, como o próprio Ronaldinho Gaúcho, que saíram cedo e deram pouco retorno para o futebol brasileiro. Valeu a pena o investimento dos clubes e, principalmente, o envolvimento do torcedor?

São jogadores cada vez mais egoístas e autosuficientes. Parecem ter crescido sonhando com a Chanpions League, sem nem sequer saber o que significa uma Taça Libertadores para seus amigos de infância. Hoje, não estão nem aí para a torcida de seus clubes. Quanto tempo até não se importarem com a seleção do próprio País?

E Adriano no Corinthians?

Publicado  sábado, 26 de março de 2011

O Corinthians terminou 2010 com um time montado. Começaram o ano com um time remendado, Elias fez MUITA falta e então houve aquele desastre contra o Tolima. R9 saiu e antes disso o Liédson tinha chegado. Deram sorte, o cara chegou em ótima forma (o biotipo dele ajudou) e o time foi se achando. O Tite finalmente tinha achado um lugar para o melhor meia deles, que agora venderam.

Jogar com dois centroavantes é diferente. Bem mais difícil de acertar em um time que joga só com um. O Liédson de centroavante tá funcionando... Sem Bruno César ele vai ter fôlego e velocidade pra recuar e jogar como um atacante mais recuado?

Claro, ter o melhor pivô do mundo ajuda a segurar a bola. Mas taticamente o time vai piorar. É torcer pra tecnicamente Adriano melhorar bastante a equipe para compensar isso. A curto prazo, eu duvido, mas a longo, quem sabe? Tite vai ter trabalho e o novo centroavante também.

Resta saber se o Imperador estará comprometido. Também duvido.

Sabe qual Copa vai acontecer no país desse jogo?

Publicado  terça-feira, 15 de março de 2011


Gostaria muito de ver os tribunais de justiça desportiva obrigando jogos assim a terem vídeos gravados. Fariam um trabalho melhor se punissem todos os criminosos responsáveis por esse massacre: o juiz irresponsável que deu condições de jogo, o dirigente que não cuida desse gramado e os nossos políticos por matarem todo dia o nosso esporte.

Com grandes poderes...

Publicado  sábado, 5 de março de 2011

O Flamengo conquistou a Taça Guanabara de forma incontestável com um rendimento irrepreensível nos números. Porém a pulga atrás da orelha era a falta de atuações mais consistentes do time e que fizessem a torcida confiar em algo mais além do baixo nível dos times do campeonato carioca (incluindo aí o péssimo desempenho dos rivais).

Esse dia chegou. Hoje, pode-se dizer que se viu o Flamengo jogar não apenas como o melhor time do campeonato carioca, mas como um grande time. E Luxemburgo e os jogadores merecem os parabéns por isso, em especial Ronaldinho Gaúcho que finalmente jogou sem economizar os cartões de visitas com dribles desconcertantes e arrancadas que lembraram aquele jogador que encantou o mundo.

E é isso que deve ser dito as vésperas do carnaval: hoje, o Flamengo joga o melhor futebol entre os grandes do Rio de Janeiro com um abismo maior do que o primeiro turno. Os rivais irão melhorar e cabe ao time também subir de produção. Entretanto a folia hoje marca a confiança da torcida. O rubro-negro é o melhor. Que continue assim.

******

Originalmente publicado no Flamengonet e readaptado para este espaço.