Plínio Serpa responde sobre Fierro

Publicado  terça-feira, 15 de setembro de 2009

Trabalho com mídias sociais o que inclui desde blogs como este até twitter, orkut e outros canais que ainda não fazem muito sucesso por aqui. É um trabalho bacana especialmente porque tenho dificuldades de trabalhar em algo que não acredito.

Por exemplo, creio com uma fé irretocável na força que a internet trouxe permitindo que cada pessoa possa ser ouvida por todos. O que torna essas pessoas diferentes são uma série de critérios que levam alguns a serem mais ouvidos do que outros. Consigo atingir mais gente do que outros torcedores. É um privilégio e uma responsabilidade.

Após ler com grande irritação a notícia sobre como vão pagar o passe do mediano Fierro, vendendo promissores talentos, escrevi um tweet criticando Plínio Serpa Pinto, na época dirigente do clube, por não terem saldado a dívida com a Traffic. O texto foi: @PlinioSerpa acho lamentável que KL e o sr. não tenham conseguido cumprir o compromisso do clube com a Traffic pelo mediano Fierro. Recebi dois retweets, ou seja, dois usuários do Twitter repetiram a minha mensagem para os seus seguidores, aumentando o alcance dela.

Plínio respondeu:


@Ninhodanacao @edmilsonlani @LubriaL @tcordeiro O jogador Fierro, um atleta de 24 anos, foi contratado há 1 ano atras, por indicação do técnico Caio Júnior. A Traffic emprestou o dinheiro, como sócia, da mesma forma como foram adquiridos Willians, Ronaldo Angelin, Airton, Kleberson, Adriano, Emerson, Bruno pela administração de Márcio Braga.
O Flamengo detém os direitos federativos dele. Como ele faz parte do elenco da seleção chilena e é um jogador novo, vamos aguardar a Copa do Mundo, após a qual ele deve estar valorizado. O futuro dele vai depender da opinião do treinador, se o novo treinador quiser ele fica e aí o Flamengo vai liquidar a dívida com a Traffic.
A resposta não me satisfez, embora parabenize o dirigente por estar atento e não ter medo de responder e interagir, o que Patrícia Amorim (@rubronegra) não faz no mesmo canal, por exemplo. Plínio não explica porque a transação estourou em outra gestão e porque insistentemente o clube vende seu futuro para pagar um presente de lampejos. Vou cobrar o dirigente a respeito. E fica o exemplo de que o Flamengo só muda se a gente mudar.

É buscar os meios para reclamar, fiscalizar e cobrar. O que vale para os políticos, vale também neste caso.


Quem sabe um dia o nosso time não muda com a gente?

******

Originalmente publicado no Flamengonet e readaptado para este espaço.